por uma vez

Manifesta-se através de mim, bem longe da minha vontade, da minha mente e muito para além da minha disponibilidade, traços que se me revelam e aos quais limito-me a aceitar como dádivas do Universo, porque nucleares para a minha consciência individual do que Sou.
O da espiritualidade - e todo o ser é espiritual, por natureza inalienável - que me vai facultando compreensão às perguntas fundamentais da própria Existência enquanto tal. E serve de meu guia mestre.
O da Linguagem Vibratória da Vida que constitui, acima de tudo, revelação de mim mesmo para comigo próprio, em contínuo e em permanência. E a capacidade, ainda muito parca e ténue, de simplesmente retribuir ao Universo, dando alguma ajuda ou protecção a quem o queira, quando se possa e deva.
O das memórias de terapeuta holístico, obtidas noutras precedências e noutros locais, e que vou sentindo cada vez mais presente e que minhas não faço.
O Ser que, de acordo com a minha Natureza Maior de que não duvido, sou de Amor, Compaixão, Aceitação e Confiança incondicionais. E isto mesmo que o Universo, na sua infinita sabedoria e inteligência, nos confronte ao colocar a Alma a latejar de impotência total e o nosso Espírito a ter de aceitar sem condição que uma parte de nós possa, por ora, querer simplesmente dar por finda a sua "comissão de serviço".
Por uma vez, este sou eu.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

aceite-se.

ame.

anular-se

raiar

na compaixão